26 de janeiro de 2020, Boa tarde!
Buscar
                     

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

TRATAMENTOS COMPLEMENTARES


Ultrassonografia 3D e 4D

 

1. Ecocardiografia Fetal

Exame especifico para o estudo do coração do feto realizado entre a 24ª e a 28ª semana de gravidez. Pode ser realizado em conjunto com a ultrassonografia 3D que permite a visão simultânea do coração nos 3 planos espaciais o que torna fácil a determinação da orientação do coração.

Permite entre outras vantagens:

  • Melhor correlação entre as válvulas e as câmaras cardíacas.
  • Melhora o estudo da parede e da arca ventricular.
  • Acesso fácil ao estudo das saídas dos vasos importantes.
  • Visão detalhada da relação da parede ventricular com as câmaras cardíacas tanto pela visão superior (do átrio em direção ao ventrículo) com plena visão inferior (a partir do diafragma).
  • Defeitos do septo intraventricular podem ser diagnosticados facilmente com o auxílio de cortes tomográficos e do sistema de rotação 3D.

2. Medicina Interna

É ultrassonografia 3D acrescenta importantes informações sobre a anatomia. Volume, característica superficial e interna dos órgãos como também da sua vascularização.

  • Permite a avaliação precisa da síndrome abdominal aguda: torção do apêndice, fístulas, doença de Crohn, etc.
  • Permite avaliação precisa do interior dos órgãos e tumores.
  • Permite a localização precisa de cálculos renais.
  • Permite o estudo detalhado de cálculos biliares e sua localização.
  • Permite o estudo vascular 3D dos órgãos e tumores.
  • Permite o estudo preciso e detalhado do volume. forma e parênquima da próstata com a reconstrução volumétrica e subtração de imagens.
  • Facilita e orienta as biópsias guiadas por ultrassonografia através do recurso 4D.

3. Músculo - Esquelético

A) Biópsias guiadas por ultrassonografia 4D.

B) Exame dinâmico 4D para avaliação muscular e dos meniscos.

C) Avaliação tomográfica dos músculos e tendões (3D).

D) Estudo dos discos intervertebrais e doenças degenerativas (raio-x 3D).

E) Avaliação da tendinite pela reconstrução volumétrica 3D.

F) Estudo de doenças do conjuntivo (artrite).

G) Estudo detalhado em casos de utilização de parafusos

4. Ginecologia

A ultrassonografia 3D proporciona grandes vantagens quando empregada no exame ultrassonográfico ginecológico.

A imobilidade das estruturas examinadas permitem a fácil obtenção do volume do órgão estudado cooperando para a riqueza de detalhes que a 3D

proporciona. Indicações:

A) Visão frontal do útero, somente possível com a 3D.

B) Diagnóstico fácil e de más-formações uterinas evitando exames invasivos como a histeroscopia e Iaparoscopia.

C) Diagnóstico preciso da localização do DIU através da reconstrução volumétrica.

D) Estudo do volume do endométrio e sua característica e relações com miométrio, de grande utilidade nos casos de hiperplasia e câncer de endométrio.

E) Estudo da cavidade uterina facilitando o diagnóstico de pólipos e miomas (histeroscopia virtual). Também podem ser utilizados contrastes uItrassonográficos que mostram a anatomia da cavidade facilitando o diagnóstico de pólipos, sinequias e miomas e, quando insufladas até a trompa, facilitam o diagnóstico da permeabilidade da trompa (HISTEROSALPINGOSSONOGRAFIA).

F) Estudo do volume e das características da parede de ovários. importante para determinar a origem de cistos.

G) Estudo da anatomia vascular dos órgãos através do Doppler 3D.

H) Estudo do volume e forma dos ovários na síndrome dos ovários policísticos com a reconstrução volumétrica e subtração de imagem 3D.

I) Biópsia de órgãos guiada pela ultrassonografia 4D

5. Mamas e Partes Moles

O exame 3D da mama utilizando uma sonda especial de alta freqüência oferece imagens precisas do órgão através da reconstrução volumétrica do parênquima, musculatura e tumores.

A 3D facilita o diagnóstico e prognóstico de tumores através da reconstrução volumétrica. sistema de RX e subtração do imagem.

O estudo 3D dos vasos de nódulos e cistos, suas ramificações e tortuosidades, permite uma informação precisa do prognóstico das lesões.

6. Obstetrícia

6.1 O Exame Obstétrico

O exame obstétrico de ultrassom em 3D é um exame Importante que complementa o exame ultrassom convencional.

O exame é realizado com um transdutor especial para captar as imagens que serão transformadas em imagens tridimensional por um programa existente no aparelho de ultrassonografia.

Os recentes avanços tecnológicos dos aparelhos permitem a obtenção de imagens com maior definição, o que possibilita ao médico analisar a anatomia fetal de uma maneira muito mais precisa, pois o aparelho é capaz de detectar os mínimos detalhes.

Ultrassonografia obstétrica

Seu objetivo é avaliar o crescimento do feto a partir de um programa de computador que é capaz de traçar um gráfico para acompanhamento do crescimento fetal, avaliando cada um dos parâmetros medidos isoladamente ao longo de toda a gestação. Esse exame pode ser realizado em qualquer período da gravidez e inclui algumas medidas do feto. estudo da placenta c da quantidade de liquido amniótico. É um recurso importante quando o crescimento fetal está comprometido. pois permite pesquisar as possíveis causas de restrição do crescimento.

Dopplervelocimetria obstétrica

Seu objetivo é avaliar o bem estar do feto através do estudo do de sangue nas artérias uterinas, umbilicais, cerebral média e no duto venoso, vaso mais importante para a oxigenação do feto e de recente emprego na obstetrícia. Este exame é importante para determinar o momento da interrupção da gravidez nos casos onde o crescimento do feto não está de acordo com o período da gravidez ou esta um sofrimento.

Este exame deve ser realizado cm pelo menos 03 ocasiões da gravidez:

  • Na semana 12-13 como parte da pesquisa para doenças genéticas corno a Sd. de Down.
  • Na 24-26 semana dc gravidez para a pesquisa da hipertensão específica da gravidez.
  • Na 34-35 semana de gravidez para a pesquisa do bem estar do feto.

 

Associado ao Doppler obstétrico e principalmente nos casos onde a mãe apresenta hipertensão arterial o estudo da dilatação fluxo-mamada da artéria braquial materna deve ser realizado em conjunto. Permite determinar o prognóstico da doença ou se e especifica de gravidez ou crônica. complementa o estudo das artérias uterinas.

Perfil biofísico fetal

Tem por objetivo avaliar a vitalidade fetal. O exame é realizado a partir de 28 semanas de gestação e inclui o estudo do liquido amniótico, movimentos fetais, tônus, movimentos respiratórios e cardiotocografia basal.

6.2 Primeiro Trimestre

O exame pode ser feito desde a fase embrionária, mas vale deixar claro que no primeiro trimestre o feto nada mais e que um pequeno pontinha, e nessa fase as imagens são limitadas, pois não é possível ver detalhes e a visão dele depende muito do transdutor usado pelo médico. O transvaginal é o que permite a melhor visualização.

O exame tridimensional realizado com a sonda transvaginal permite o estudo da morfologia e desenvolvimento do embrião semana apos semana denominada SONOEMBRIOLOGIA, culminando com o EXAME MORFÓGICO DO PRIMEIRO TRIMESTRE na 12-13 semana de gravidez.

SONOEMBRIOLOGIA:

QUINTA SEMANA

O primeiro sinal sugestivo de gravidez, visível entre a quarta e quinta semana, é o aumento acentuado da espessura e refringência do endométrio em um processo chamado de reação decidual.

O saco gestacional inicialmente se apresenta de com forma arredonda com 31 dias apos a data da última menstruação (DUM) com diâmetro ao redor dos 2-3mm.

A forma ovalada não deve ser considerada anormal, salvo em situações onde outras patologias possam estar associadas como a parada de crescimento do saco gestacional, alterações na refringência, miomas etc.

Com 32 dias após a DUM, aparece o primeiro anexo embrionário visível, a vesícula vitelina. A presença da vesícula vitelina garante a presença do embrião, embora neste período ainda não visibilizado. A vesícula vitelina é um anel com halos refrigerantes e mais ou menos 3mm de diâmetro que cresce 1 (hum) milímetro por semana até alcançar os 6mm. vesículas vitelinas com mais de 6 milímetros-“mega-vesículas" são patológicas e frequentemente associadas à morte embrionária ou malformações do concepto.

Trinta e cinco dias após a Dum aparece o embrião. Estrutura alongada, medindo 2mm e com os batimentos cardíacos visíveis. A partir deste período, o CCN pode ser medido e a cronologia da gestação determinada biometricamente cm associação com a sonoembriologia. O embrião aparece apegado ventralmente à vesícula vitelina e dela vai se afastando, com o progredir da gestação, através do conduto onfalomesentérlco que direcionar a inserção do cordão umbilical.

SEXTA SEMANA

O embrião já com 10mm e cresce 1mm diariamente tem sua forma alterada da alongada para a encurvada (forma da letra C). O saco gestacional mede no início da sexta semana aproximadamente 110mm e ao final da mesma 20mm. O embrião apresenta os dois pólos bem definidos: o cefálico e o tronco. O pólo cefálico é mais proeminente e as estruturas do mesmo ainda não podem ser identificados visibiliza-se o ventrículo cerebral único. O cordão umbilical e o conduto onfalomesentérico podem ser visibilizados: o primeiro inclusive pode ser insonado com o Doppler colorido que mostrará o fluxo característico do primeiro trimestre e o segundo, como um cordão refringente se afastando do abdome em direção vesícula vitelina, agora mais distante do embrião. A visão multiplanar da ultrassonografia 3D também é do grande auxílio neste período no diagnóstico de gestações gemelares.

SÉTIMA SEMANA

O crescimento acentuado do pólo cefálico o a presença do ventrículo único do diencéfalo são facilmente visibilizados com o estudo multiplanar 3D e o modo NICHE onde se manipula os 3 planos ortogonais simultaneamente em uma única imagem. Esta evolução das estruturas cerebrais torna o pólo cofálico ainda mais pesado e é responsável pela atitude do mesmo, flexionado para diante em contato com o tórax. Esta característica é facilmente visibilizada um reconstruções 3D do embrião. É possível Identificar os esboços dos membros superiores e inferiores do concepto.

OITAVA SEMANA

Há a clara da face e da inserção do cordão umbilical na parede abdominal, embora a primeira ainda não possa ser visibilizada de forma nítida em função da do pólo cefálico. Segue a expansão do sistema ventricular cerebral, o terceiro ventrículo e os ventrículos cerebrais são mais proeminentes. As cavidades cerebrais são necessariamente císticas. A flexão do pólo cefálico faz com que o vértice do pólo cefálico corresponda à parte inédita do cérebro. A inserção do cordão umbilical pode ser nitidamente Identificado na parede abdominal. Nesta fase o Intestino encontra-se herniado na parte proximal do cordão umbilical, chamada do herniação fisiológica, o sua medida normalmente não ultrapassa os 34mm. A vesícula vitelina se afasta ainda mais do concepto e o âmnio pode ser visto claramente. O espaço extra amniótico ainda é significativo.

Um fato importante é que nesta idade gestacional já podemos fazer um estudo detalhado dos membros inferiores e dos pés que são nitidamente identificados na reconstrução tridimensional.

NONA-DÉCIMA SEMANA

A cabeça se encontra nitidamente separada do tronco através da nuca. Inicia-se a divisão dos hemisféricos cerebrais. Estas etapas do desenvolvimento podem ser acompanhadas e estudas em cortes tomográficos através da reconstrução tridimensional do cérebro fetal movendo a imagem em todas as diferentes partes do encéfalo. A ausência da divisão dos hemisférios cerebrais na nona-décima semana de gestação chama a atenção para uma importante patologia relacionada com a trissomia ou holoprosencefalia. É possível identificar o canal medular. Os membros estão totalmente identificados. ainda não e possível individualizar os dedos dos pés e mãos e os núcleos de ossificação da face passam a ser visíveis e passíveis de estudo com o sistema de RX 3D.

DÉCIMA PRIMEIRA - DÉCIMA TERCEIRA SEMANA

Neste período tem concluída a rotação do intestino na inserção do cordão umbilical, logo, a persistência da hérnia fisiológica passa a ser patológica e passível do diagnóstico de onfalocele. Os dedos da mão são os primeiros a serem identificados na décima primeira semana e os dedos dos pés uma semana após. A face, órbitas, orelhas, nariz, maxilares e ossos longos podem ser visibilizados nitidamente e a imagem com o sistema RX mostra toda a estrutura óssea do concepto. Órgãos como estômago, bexiga, rins, coração, pulmões e intestinos podem ser estudados tomograficamente, em qualquer direção e profundidade com o sistema multiplanar. O sistema nervoso central segue seu desenvolvimento na 11-13 semana ocorre o aparecimento da translucência nucal e o osso nasal pode ser medido. Ambos são marcadores ultracenográficos importantes para o cálculo do risco para doenças genéticas como a Sd. Down. A translucência nucal é um edema causado principalmente pela congestão linfática principalmente do sistema Iinfático jugular fetal e sua espessura não deve ultrapassar os 2.5mm. A reconstrução tridimensional da nuca do concepto nesta oportunidade permite uma medida mais precisa da translucência nucal como também o estudo da sua morfologia, principalmente a presença de septos relacionados a alterações numéricas cromossomiais.

A ultra-sonografia 3D reduz a possibilidade de erros durante a medida da translucência porque permite a perfeita distinção entre o âmnio (bolsa) e a translucência nucal, principal causa de erros.

FACE FETAL

A fase ideal é a partir da 26ª semana, pois neste período o feto já possui uma imagem mais próxima do que será ao nascer.

Para os pais, o ultra-som em 3D possibilita a tranquilidade de visualizar a anatomia do feto aumentando o vinculo com o bebê, pois proporciona imagens mais de seu corpo, braços, pernas, mãos, pés e do rosto, fazendo com que os pais conheçam não só o sexo, mas o próprio bebê em detalhes. É a possibilidades de obter uma foto antes mesmo do nascimento.

6.3 Rastreio de Cromossomopatias

Exame que tem como objetivo o cálculo do risco da gestação para doenças genéticas o defeitos do tubo neural. É realizado em duas etapas:

1) Ultra-sonografia morfológica do primeiro trimestre na 11-14 semana.

2) Dosagem no sangue da mãe dos hormônios Alfa feto proteína e Beta HCG.

Por volta das semanas 10-14, por ocasião do desenvolvimento do sistema venoso, mais especificamente a veia jugular interna e formação do saco Iinfático, aparecem na nuca do lato uma área com líquido (entre a pelo e o tecido celular subcutâneo que recobre a coluna), que é chamada de Translucência Nucal (TN).

O período ideal para avaliação e mensuração correta desta área é entre as semanas 11 e 13. A avaliação é feita no exame de rotina onde medimos o CCN (comprimento cabeças-nádega) para uma perfeita datação da gestação e medimos também a TN (Translucência Nucal).

No momento do exame, fazemos uma primeira avaliação completa do embrião para afastar outros defeitos grosseiros ou malformações.

A translucência nucal é um achado fisiológico, entretanto, valores superiores a 2.5 podem estar relacionados dom a Sd. de Down ou outras alterações genéticas como as Sds de Edwards, Patal e Tuner.

O rastreio de cromossomopatias é um programa que analisa o risco que o feto tem para apresentar defeitos cromossômicos. Para este exame deve ser informado ao programa a idade materna, historia familiar materna, a medida da translucência nucal e duto venoso, a os valores dos hormônios alfa-fetoproteína e Beta HCG solicitados pelo medico entre a 14-18 semana de gravidez. Independente de sua idade, toda grávida tem um pequeno risco de dar à luz a uma criança com defeito cromossômico. Este risco aumenta com a idade materna. Isto é chamado de risco ou probabilidade inicial. Exemplo: Se a mãe tiver 25 anos, o risco inicial e de 1/430; se tiver 35 anos, é de 1/125.

O risco ajustado é o risco individual calculado para uma determinada paciente. Dependendo da medida da TN, este risco pode aumentar ou diminuir. Ex.: a paciente pode passar de um risco inicial de 1/400 para um risco ajustado de 1/2300, o que corresponde a uma redução considerável da gestante ter um feto doente.

Se a paciente apresenta um feto com uma TN aumentada, o risco ajustado pode subir, por exemplo, para 1/18. Isto quer dizer que de 18 mulheres com esta medida e com a mesma idade, uma terá um filho doente.

Na presença de um risco muito elevado, e considerável a realização de métodos mais eficazes para a comprovação da existência da doença.

Método como biópsia de vilosidade corial, amniocentese, cordocentese, etc. Esses exames oferecem o matéria para diagnóstico definitivo para as doenças genéticas como Sindrome de Down e outras trissomias realizados no exame de carótipo.

É por isso que lembramos sempre que o cálculo do risco fetal para cromossomopatias combinado (translucência nucal do fato e exame de sangue da mães) é um método importante e faz parte das recomendações do National Institute of Clinical Excellence (NICE), Royal College of Obstetrics and Ginaecologists (RCOG) e fetal Medicine Fundation.

É importante enfatizar que o exame de risco aumentado do feto não determina o diagnóstico da doença, serve exclusivamente para determinar os fetos que necessitam prosseguir na investigação através do exame genético, este, definitivo. 

6.4 Ultra-som Morfológico

O que é o Ultra-som Morfológico? O Ultra-som Morfológico é um exame que permite avaliar toda a anatomia interna e externa do feto em desenvolvimento.

Como e um Exame Morfológico?

Quando realizado no período entre 11-14 semanas. a via de acesso e preferencialmente via transvaginal ou através da sonoembriologia seriada nos primeiros 3 meses de gravidez.

Quando realizado no período entre 18-24 semanas, a via de acesso é via transabdominal, mas para a avaliação do colo uterino, o exame é feito via transvaginal.

Por ser mais detalhado, o exame é mais demorado que os outros, pois são verificados o número de fetos, a localização da placenta, a medida do colo uterino e toda a Morfologia Fetal (Pólo Cefálico, Cérebro, Face Coluna, Nuca, Tórax, Coração, Abdome, Aparelho [Benito - Urinário], Extremidades, líquido amniótico, ritmo cardíaco).

Além disso, a curva de crescimento do feto e definida sendo um importante parâmetro para o acompanhamento da gestação a partir deste momento.

Quando deve ser realizado?

O exame morfológico deve ser realizado, de preferência, no período entre 18-24 semanas. Mas a tendência atual é a realização de outra avaliação preliminar da estrutura fetal durante a realização da translucência nucal no período de11-14 semanas.

A ultra-sonografia morfológica garante a ausência de malformações? A ultra-sonografia morfológica detecta aproximadamente 50% das malformações e depende da posição do feto durante o exame e da quantidade de liquido amniótico.

A utilização da ultrassonografia 3D pode aumentar a capacidade de diagnóstico através do sistema multiplanar, reconstrução volumétrica dos órgãos e face e do sistema de RX.

Qual a diferença entre más formações e cromossomopatias?

As más-formações são alterações na anatomia que podem estar ou não associadas a doenças genéticas e são classificas em malformações maiores ou menores.

A presença de más-formações durante o exame de ultrassonografia determina a necessidade da realização do estudo genético do feto para determinar a sua associação com as cromossomopatias (alterações genéticas).

A exclusão da associação com cromossomopatias é importante, pois determina a associação com a recorrência do problema o sua herança.

Quem deve fazer o exame?

As anomalias estruturais são muito raras entre os recém-nascidos, mas a ocorrência é maior com gestantes de baixo risco (sem qualquer história anterior), portanto, todas as mulheres devem realizar o exame, principalmente quando:

a) A gestante tiver 35 anos ou mais.

b) Existem históricos familiares de malformações e/ou alterações genéticas.

c) Malformações ou alterações genéticas em gestações anteriores.

d) A gestante possui doenças como diabetes.

e) Há suspeita de infecções como rubéola, toxoplasmose, etc.

f) Gestações múltiplas.

g) O Pai tiver 55 anos ou mais.

6.5 Ultra-som 4D

Utilizando a mais avançada tecnologia em ultra-sonografia, o método 4D  quatro dimensões), nada mais é que a imagem 3D em movimento. Você pode observar toda a movimentação fetal, desde que as condições para a obtenção da imagem 3D sejam favoráveis.

Movimento:

Desenvolvimento neurológico fetal: As fases inicias do desenvolvimento embrionário são caracterizadas pela imobilidade do embrião. Os primeiros movimentos coincidem com as primeiras sinapses que ocorrem aproximadamente na sétima semana após a concepção.

O desenvolvimento do sistema nervoso do concepto pode ser acompanhado pelo exame de ultrassonografia 4D através do acompanhamento do padrão de movimentação esperado para cada semana, principalmente nos primeiros três meses e início do quarto e quinto mês. Doenças que comprometem a produção, migração e função das células nervosas podem ser suspeitadas com este exame.

A visão em tempo real das expressões faciais do feto reforça o vínculo dos pais com o feto. O período mais favorável para a observação da face do feto é entre a 26 e 32 semana de gravidez, desde que as condições para a aquisição da imagem sejam favoráveis.

É sempre possível a visão 3D/4D do feto?

O exame de ultrassonografia 3D/4D depende de condições técnicas para a aquisição de Imagens de boa qualidade. É diretamente dependente do aparelho utilizado, da posição do feto no momento do exame e da quantidade de liquido amniótico.