Publicado em 19 de Março de 2017

Falha de Implantação

A falha de implantação é a falha reprodutiva após a transferência de embriões.


Falha de implantação, o que é e porque acontece?

A falha de implantação é a falha reprodutiva após a transferência de embriões. Embora haja sempre uma chance após a fertilização in vitro, do embrião não se implantar no útero, existe um tipo de infertilidade que leva seu nome e é o fracasso ou a falha repetida de implantação. A paciente com este diagnóstico é aquela que após a transferência de seis embriões não consegue a gestação.

Se ocorrer a falha de implantação no primeiro tratamento, após a fertilização in vitro, isto é uma falha aceitável, considerando que com os próprios óvulos a taxa de gravidez de 30% a 40%. O problema é quando essa falha se repete, depois de várias transferências de embriões.

Transferência embrionária e Implantação

A transferência embrionária deve ser um procedimento personalizado que vai depender do desenvolvimento dos embriões. De acordo com a evolução destes, a transferência poderá ser em um dia ou outro.

Embora seja verdade que os melhores dias de transferência de embriões sejam entre o 2º e o 6° dia após a fecundação do óvulo, se as condições permitirem uma transferência em estágios mais avançados de desenvolvimento essa deve ser a opção escolhida, pois, permite uma melhor avaliação morfológica, selecionando aqueles que têm a maior probabilidade de implantação

A seleção do embrião é essencial para evitar falhas de implantação e conseguir uma gravidez, por isso cada vez mais se transfere embriões no estágio de blastocisto, o que ajuda a melhorar as taxas de sucesso e a evitar gravidezes múltiplas.

Sangramento na implantação

O sangramento na fase de implantação é leve e pode ser confundido com sangramento menstrual. Ela ocorre porque o útero é muito vascularizado e isso pode fazer sangrar facilmente.

A indicação, nestes casos, é consultar com a enfermeira no início deste sangramento. Ela vai dar a indicação mais apropriada, dependendo do dia em que ocorre após a transferência do embrião.

Como lidar com a evidência de falhas de implantação

Como dissemos no início deste post, uma ou duas falhas de implantação não são um sinal de repetição. A paciente deve ter transferido pelo menos 6 embriões de boa qualidade e não ter havido implantação, para poder iniciar um estudo e prosseguir para:

  • Excluir a presença de uma malformação uterina, mioma e baixa capacidade de resposta.
  • Examine de cariótipo do casal para saber se há uma alteração estrutural em um dos cromossomos que predispõe ao aborto ou o fracasso dos tratamentos de fertilização in vitro.
  • Avaliar hormônios da tiróide.
  • Descartar trombofilia e doenças auto-imunes.

Estes testes podem mostrar um problema que indica a causa da falha de implantação repetida. Se assim for, um tratamento adequado pode resolver o problema para a implantação bem-sucedida.