ICSI – Microinjeção Intracitoplásmica de Espermatozoides

 

Criada em 1994 o ICSI é uma técnica de FIV onde a diferença básica está na forma da inseminação do óvulo. Consiste basicamente na injeção de um único espermatozóide dentro de cada óvulo mediante um aparelho acoplado ao microscópio, chamado de micromanipulador. Com a ICSI, praticamente se elimina o risco da falha de fecundação, entretanto, é uma técnica mais refinada e custosa.

de grande valia nos casos onde há a ausência de espermatozóides no ejaculado (azoospermia). Em muitas ocasiões, há espermatozóides no testículo, estes espermatozóides são capazes de fecundar os óvulos e dar lugar a pré-embriões viáveis que serão transferidos para o útero da paciente. Em todo o mundo já se tem relatado nascimentos de crianças saudáveis utilizando esta técnica cirúrgica em combinação com as Técnicas de Reprodução Assistida.

INDICAÇÃO:

  • Baixa concentração de espermatozóides no ejaculado.
  • Baixa motilidade dos espermatozoides no ejaculado.
  • Baixo número de espermatozoides com formas normais.
  • Ausência de espermatozóides no ejaculado.
  • Pacientes com anomalias cromossômicas.
  • Pacientes com amostras de sêmen criopreservados por motivos como vasectomia e radioterapias
  • Pacientes que apresentaram falha fertilização em ciclo com FIV ou INVO.
  • Pacientes com baixa resposta a Estimulação Ovariana 
  • Pacientes que irão ser submetidas a um estudo de PGD.